quinta-feira, novembro 30, 2006

A VIDA

Povo sem outro nome à flor do seu destino;
Povo substantivo masculino,
Seara humana à mesma intensa luz;
Povo basco, andaluz,
Galego, asturiano,
Catalão, português:
O caminho é saibroso e franciscano
Do berço à sepultura;
Mas a grande aventura
Não é rasgar os pés
E chegar morto ao fim;
É nunca, por nenhuma razão,
Descrer do chão
Duro e ruim!

Miguel Torga

[Enchi Minhas palavras de silêncio]

Enchi minhas palavras de silêncio
E pela vez primeira nesta vida
teu coração rebelde as entendeu…

Sebastião da Gama

segunda-feira, novembro 27, 2006

Tropeço de ternura por ti

É simples a separação.
Adeus.
Desenlaçado o último abraço, uma pressa de dar costas um
ao outro.
Já não há gestos. O derradeiro (impossível) seria não
desfazer o abraço.
Pressa de cada um retomar o outro na teia lenta da
remembrança.
Não desfazer o abraço. Ficar face encostada ao niagara dos
cabelos.
Sobram fotografias, voz no gravador, um bilhete na caixa
do correio. Sobra o telefone.
Tensão – telefone. Experimentada. Sofrida.
Tensão – telefone. Possibilidade de voz não póstuma.
No gravador, voz de ontem, de anteontem. De há anos.
Sobra o telefone. Mudo.
Retininte?
Sobrarão as cartas. Sobra a espera.
Na teia lenta da remembrança, retomo-te em memória
recente: na praia de ternura onde nos enrolámos e
desenrolámos desesperados de separação.
Sobra a separação.

alexandre o' neill

sexta-feira, novembro 24, 2006

Desilusão

quarta-feira, novembro 22, 2006

O perfil

Lampião Distinto

quinta-feira, novembro 16, 2006

Aquela Triste e Leda Madrugada


Aquela triste e leda madrugada,
cheia toda de mágoa e de piedade,
enquanto houver no mundo saudade
quero que seja sempre celebrada.

Ela só, quando amena e marchetada
saía, dando ao mundo claridade,
viu apartar-se de uma outra vontade,
que nunca poderá ver-se apartada.

Ela só viu as lágrimas sem fio,
que de uns e de outros olhos derivadas
se acrescentaram em grande e largo rio.

Ela viu as palavras magoadas
que puderam tornar o fogo frio,
e dar descanso às almas condenadas.

Luís Vaz de Camões

quarta-feira, novembro 15, 2006

Cai a noite no sul

Solidão nocturna

terça-feira, novembro 14, 2006

Lampião envergonhado

Senhor dos Aflitos

segunda-feira, novembro 13, 2006

sábado, novembro 11, 2006

Fonte


Foto:A.Fachada

quinta-feira, novembro 09, 2006

terça-feira, novembro 07, 2006

Memórias do Mercado Velho

domingo, novembro 05, 2006

No (meu) caminho da escola


Num caminho de aventuras
Aprendi a resolver enigmas
A desvendar os paradigmas soltos
Da calma vida da caverna
Da revolta do mundo do universo
De tudo e de nada
Feito de sensações conspiradas
De memórias e saudades deturpadas
Por nós
O sol continua a acordar
Como a lua a pernoitar
O horizonte continua no mesmo sítio
De sempre
Vejo-o segundo a segundo
Entre o caminho das amarguras
Entre mim e o mundo

© Amores Perfeitos – Nuno Pinto Bastos

sexta-feira, novembro 03, 2006

Recordações

quinta-feira, novembro 02, 2006

Recordações


Foto:A.Fachada